Oficinas de Qualificação – TEIA Catarina 2016

Oficinas de Qualificação

1 – CONCEPÇÃO DE PROJETOS

Ministrante: DENNIS RADÜNZ

Carga horária: 16 h/aula (8 horas diárias)

Pré-requisitos: Ensino fundamental completo

Material do aluno: Papel, caneta e computador pessoal (opcional)

EMENTA

A oficina “CONCEPÇÃO DE PROJETOS” propõe a elaboração individual e/ou coletiva de dois projetos – o primeiro dedicado a uma proposta de ação cultural continuada; outro, a elaboração de um produto cultural –, a partir de abordagens teóricas de técnicas de modelagem, com apoio em bibliografia especializada (Thiry-Cherques) e em referências técnicas, como o “Dicionário crítico de política cultural” (Teixeira Coelho) e o “Plano Nacional de Cultura”. Parte-se da noção de projeto cultural como instância criativa, não meramente burocrática, ou seja, o projeto como arte. Serão abordados princípios das normativas de editais federais e estaduais e a dinâmica das aulas incentiva o compartilhamento de experiências e vivências dos próprios Pontos de Cultura de Santa Catarina.

METODOLOGIA – A sequência didática da Oficina alterna, dinamicamente, seções expositivas e seções de prática de escrita individual/coletiva e de elaboração de orçamento, com acesso a meios audiovisuais (Prezi e outras plataformas digitais). O método contém traços de pesquisa-participante, sendo que cada um dos dois projetos parte de demandas de livre escolha dos PdCs participantes.

CURRÍCULO

Dennis Radünz é escritor e editor, com formação em Letras/Português pela Universidade Federal de Santa Catarina. Autor dos livros de poemas “Exeus” (1996), “Livro de Mercúrio” (2001) e “Extraviário” (2006) e da antologia de prosas publicadas no jornal Diário Catarinense: “Cidades marinhas: solidões moradas” (2009). Organizou e co-traduziu – com Lia C. Puff – o livro de poesia infantil do naturalista Fritz Müller (1822-1897), “História natural de sonhos / Naturgeschichte der Träume (2004), detentor do selo ‘Altamente recomendável’ na categoria tradução, concedido pela Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ/IBBY). Ministra oficinas de criação literária na UFSC e no circuito de cultura do Serviço Social do Comércio (SESC), com trabalhos recentes em Rio Branco, Maceió, Cuiabá e Paraty (RJ).

Na área de gestão de cultura foi Diretor de Patrimônio Cultural da Fundação Cultural de Florianópolis, presidente da 2ª Conferência Municipal de Cultura e um dos principais articuladores da criação do Fundo Municipal de Cultura de Florianópolis (Lei 8.478-2010). Participou de cursos na área de elaboração de projetos em São Paulo e Salvador e é editor/redator do catálogo “Pontos de Cultura de Santa Catarina” (FCC/MinC).

2 – FOTOGRAFIA COMO PRÁTICA COTIDIANA

Ministrante: SÉRGIO SAKAKIBARA

Carga horária: 16 h/aula (8 horas diárias)

Pré-requisitos: ter uma câmera compacta para uso. (serve celular, com limitações)

EMENTA

O uso da imagem está inserido no nosso cotidiano não só no consumo, mas na produção também. Esta oficina tem por objetivo levantar alguns questionamentos técnicos e teóricos que nos ajudem a aperfeiçoar a produção e compartilhamento de imagens em nosso dia a dia. Serão dadas noções de luz, cor e visão, formação da imagem e captação. Operação da câmera, controles básicos. Escolha da luz, controle de cor, sensibilidade. Descarga de imagens, organização e ajustes básicos e armazenamento, impressão, compartilhamento e publicação. Serão exibidas imagens de diversos autores. Exercícios práticos, avaliação das imagens produzidas.

CURRÍCULO

Sérgio Sakakibara é fotógrafo, artista visual formado pelo Instituto de Artes da UFRGS; foi professor substituto nesta mesma Instituição, na ESPM-RS, na Casa de Cultura Mario Quintana em Porto Alegre e nas Oficinas de Arte do CIC, em Florianópolis. Trabalhou com jornalismo e publicidade, e teve seu trabalho autoral participando em diversas exposições individuais e coletivas. Agitador cultural, trabalhou no fomento de entidades, ações culturais e eventos. Trabalha atualmente no Museu do Mar em São Francisco do Sul.

3 – ESCRITA CRIATIVA

 

Ministrante: TELMA SCHERER

Carga horária: 16 h/aula (8 horas diárias)

EMENTA

Escrever nem sempre é fácil, mas pode ser uma experiência muito enriquecedora e (por que não?) divertida. A oficina centra-se na palavra, essa palavra que usamos cotidianamente e que podemos manejar de diferentes formas . Através de exercícios, serão experimentadas variadas facetas da expressão verbal, com o objetivo de auxilliar os participantes a desenvolverem suas habilidades na escrita.

CURRÍCULO

Telma Scherer é doutora em Teoria Literária (UFSC, 2016) e mestra em Literatura Comparada (UFRGS, 2004). Possui formação universitária em Filosofia e em Artes Visuais. Como poeta, teve seu livro de estreia, Desconjunto, publicado pelo Instituto Estadual do Livro do RS em 2002. Publicou ainda Rumor da casa, pela editora carioca 7 Letras, e Depois da água, pela editora catarinense Nave. Rumor da casa integrou um projeto que abordou a poesia em performance, através de oficinas, apresentações ao vivo e um video, com financiamento do Fumproarte em 2008 (Fundo de Apoio à Cultura da prefeitura de Porto Alegre/RS). Já Depois da água contém, junto aos poemas, um conjunto de fotografias realizadas pela autora, e recebeu o Prêmio Elisabete Anderle, da Fundação Cultural Catarinense. Na área da prosa, obteve a bolsa de pesquisa e criação do Concurso Décio Freitas, também do Fumproarte. Fundou, com Lorenzo Ribas e o Diego Petrarca, o grupo Teia de Poesia,que realizou saraus de poesia falada em Porto Alegre durante sete anos. Como ministrante de oficinas iniciou no projeto Descentralização da Cultura, da Prefeitura de Porto Alegre, em 2004. Trabalhou para o SESC/SC e SESC/RS, feiras do livro e livrarias, sempre apresentando performances de poesia falada e ministrando oficinas de escrita criativa.

4 – MOVIMENTO E(M) CENA

Ministrante: MARISA NASPOLINI

Carga horária: 16 h/aula (8 horas diárias)

EMENTA

A oficina pretende explorar as potencialidades corporais, aperfeiçoando o vocabulário de movimento expressivo, e propiciar a descoberta de percursos pessoais na construção da cena. Serão feitos exercícios e jogos de criação e composição individualmente, em duplas e em pequenos grupos, articulando aspectos da memória e da experiência subjetiva, dando atenção à multiplicidade de universos culturais e práticas artísticas presentes no grupo.

CURRÍCULO

Marisa Naspolini é atriz, pesquisadora, professora e produtora cultural. É graduada em jornalismo, analista de movimento pelo Laban/Bartenieff Institute de Nova York e doutora em teatro pela UDESC/Università di Roma 3. Estudou teatro na França (Conservatório Nacional de Artes Dramáticas da França) e na Itália (Teatro Potlach) e como atriz, diretora e/ou preparadora corporal, atuou em mais de 30 espetáculos no Brasil e no exterior. Preside a Áprika Cooperativa de Arte, atuante desde 1991 em diversos segmentos artísticos. Integra a equipe do Baobah, instituição voltada para o desenvolvimento de novas formas de inteligência integrando conhecimentos da psicologia, da arte e das neurociências. Foi professora do Departamento de Artes Cênicas da UDESC por dez anos. Foi professora da FEAN (Faculdades Energia de Administração e Marketing) por 6 anos. Fundou (juntamente com outras artistas) e coordena em Florianópolis o Vértice Brasil – encontro e festival internacional de teatro feito por mulheres, ligado ao Projeto Magdalena, rede internacional de mulheres de teatro presente em mais de 50 países. Foi colunista do jornal Diário Catarinense durante três anos (2011-2014). É autora dos livros “Confissões do corpo: composição cênica e diálogo poético com a literatura de Ana Cristina Cesar” (Editora UDESC) e “Somos todos parte da mesma couve” (Editora Letras Contemporâneas). Tem diversos artigos e traduções publicados em revistas nacionais e internacionais. Recentemente finalizou estágio pós-doutoral no Programa de Pós- Graduação em Antropologia Social na UFSC, onde promoveu interfaces entre questões de gênero e o campo das artes da cena.

5 – AUDIOVISUAL E MEMÓRIA

Ministrante: DEMÉTRIO PANAROTTO

Carga horária: 16 h/aula

Pré-requisitos: Ensino fundamental completo

EMENTA

Vivemos numa época de constantes atualizações tecnológicas. Mas mesmo que o processo de fazer um filme – uma ficção ou um documentário -, pareça simplificado, fazê-lo requer uma bagagem de referências que alimentem o imaginário a ser trabalhado; desde o projeto, até a definição de uma proposta estética. A oficina Audiovisual e Memória pretende, num primeiro momento, discutir alguns aspectos teóricos que levam em conta a história do cinema, a linguagem audiovisual e as suas constantes transformações. Num segundo, propõe uma troca de experiências com o intuito de: alimentar os projetos e fomentar o desenvolvimento da produção audiovisual em Santa Catarina; instigar a formação de público com visão crítica; e estimular o debate nas redes culturais e sociais.

METODOLOGIA

Os encontros serão apoiados em textos, filmes e por uma constante troca de experiências; sendo que o segundo momento de cada dia será dedicado a atividades de escrita;Demétrio Panarotto é doutor em literatura, professor universitário, músico e escritor. Publicou, dentre outros, “Mas é isso, um acontecimento” [Editora da Casa, 2008], “15’39”” [Editora da Casa, Alpendre, 2010] e o ensaio “Qual Sertão, Euclides da Cunha e Tom Zé” [Lumme Editor, Móbile, 2009], o e-book Poema da Maria 3D[Coleção Formas Breves, e-galáxia, 2015] e o livro de contos Ares-Condicionados [Nave Editora, 2015] – Prêmio do Edital Elisabete Anderle. É Co-diretor dos documentários “Só Tenho Um Norte” [2008] e “Cerveja” Falada [2010]. E com a banda “Repolho” lançou 4 CD’s entre 1997 e 2009, e o compacto em vinil “Sorria, meu bem! (oh Sweet Lucy)” [2004]. Com o projeto “Irmãos Panarotto”, com Roberto Panarotto, lançou os CD’s “2Violão e 1Balde” [2004] e “Chamando Chuva” [2012].

CURRÍCULO

Professor Substituto na UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina) em duas oportunidades [de 2013 à 2015 e de 2008 à 2009]. Professor PARFOR – UNOCHAPECÓ – Chapecó-SC, 2016 (em andamento). E desde o ano de 1996 ministra cursos de qualificação de professores, oficinas e workshops nas áreas de literatura, música e cinema.

6 – MÚSICA: VER, OUVIR, SENTIR E TRADUZIR

Ministrante: Ana Paula Weschenfelder 

Carga horária: 16 h/aula (8 horas diárias)

EMENTA

Esta oficina se propõe a estimular o ver, o ouvir, o sentir e o traduzir consciente da música. Estes quatro aspectos serão trabalhados através de dinâmicas de canto, ritmo e composição; do compartilhamento de ferramentas teórico-práticas que servem de auxílio no desenvolvimento musical; e da reflexão conjunta sobre as práticas musicais dos Pontos de Cultura – sejam elas na área de ensino, criação ou performance. Serão abordados temas como, por exemplo, o uso do microfone, comportamento em palco, respiração & postura, concertos didáticos e outros; buscando a análise consciente da música que vemos, ouvimos, sentimos e traduzimos.

Como parte da proposta da oficina, em uma hora, os participantes irão compor uma canção em conjunto a ser apresentada ao final do evento.

CURRÍCULO

Musicista, administradora e professora, com formação em Música (UDESC e University of Bristol – Inglaterra) e Administração (UFSC), atualmente concluindo Especialização em Gestão Pública Avançada pela École Nationle d’Administration Brasil. É idealizadora e coordenadora dos programas Música Didática no Cinema e Música Didática no Palácio, da FCC; professora de canto, piano e leitura musical. Foi contratada como regente do Coral Infantil Joyful Noise e professora de música na The Woodlands United Methodist Church, nos Estados Unidos. Ministrou cursos de canto em Bristol, Londres e Milão. Apresentou dois trabalhos no III Fórum Mundial de Educação (Porto Alegre), nas áreas de ensino da música e gestão da música. Ganhadora do Prêmio Prof. Edmon Duarte Nader – melhor monografia do curso de Administração da UFSC em 2008, discorrendo sobre administração da música na igreja.

Rodas de Conversas – Currículo dos profissionais

Convidados:

Márcio Caires

Experiência como presidente do Fórum Nacional dos Conselhos Estaduais de Cultura, presidente do Conselho Estadual de Cultura da Bahia, membro do Conselho Nacional de Políticas Culturais, griô aprendiz do Projeto Grãos de Luz e Griô, em Lençóis, Bahia.

Alexandre Alves

Mestre em Gestão de Políticas Públicas (2014). Especialista em Controladoria e Administração Pública (2004). Especialista em Administração Pública (2002). Bacharel em Direito (2007) e Bacharel em Ciências Contábeis (2002). Atualmente é diretor da Escola de Gestão Pública Municipal – EGEM. Tem experiência nas áreas de Administração, com ênfase em Contabilidade, e Finanças Públicas atuando principalmente nos seguintes temas: lei de responsabilidade fiscal, controle dos bens patrimoniais, contabilidade pública, controle interno e controle público.

Marisa Naspolini

Atriz, pesquisadora, professora e produtora cultural. É graduada em jornalismo, analista de movimento pelo Laban/Bartenieff Institute de Nova York e doutora em teatro pela UDESC/Università di Roma 3. Estudou teatro na França (Conservatório Nacional de Artes Dramáticas da França) e na Itália (Teatro Potlach) e como atriz, diretora e/ou preparadora corporal, atuou em mais de 30 espetáculos no Brasil e no exterior. Preside a Áprika Cooperativa de Arte, atuante desde 1991 em diversos segmentos artísticos. Integra a equipe do Baobah, instituição voltada para o desenvolvimento de novas formas de inteligência integrando conhecimentos da psicologia, da arte e das neurociências. Foi professora do Departamento de Artes Cênicas da UDESC por dez anos. Foi professora da FEAN (Faculdades Energia de Administração e Marketing) por 6 anos. Fundou (juntamente com outras artistas) e coordena em Florianópolis o Vértice Brasil – encontro e festival internacional de teatro feito por mulheres, ligado ao Projeto Magdalena, rede internacional de mulheres de teatro presente em mais de 50 países. Foi colunista do jornal Diário Catarinense durante três anos (2011-2014). É autora dos livros “Confissões do corpo: composição cênica e diálogo poético com a literatura de Ana Cristina Cesar” (Editora UDESC) e “Somos todos parte da mesma couve” (Editora Letras Contemporâneas). Tem diversos artigos e traduções publicados em revistas nacionais e internacionais. Recentemente finalizou estágio pós-doutoral no Programa de Pós- Graduação em Antropologia Social na UFSC, onde promoveu interfaces entre questões de gênero e o campo das artes da cena.